Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os verbos populares

Os verbos populares

O Último Vale Verde (2022)

Francisco Chaveiro Reis
24
Mai22

Visão de Peão (13).png

O Último Vale Verde

Mark Sullivan

Cultura, 22 euros

Exemplar comprado na Bertrand Online

4 em 5 estrelas

 

O Último Vale Verde é uma história de fuga durante a II Guerra Mundial. Mas, ao contrário do habitual, não conta o ponto de vista de uma família judia, mas sim de uma família de agricultores de ascendência alemã na Ucrânia há várias gerações que, em 1944, se vê entre a ofensiva soviética e o risco de deportação para a Sibéria e as tropas alemãs. A sua descendência, confere-lhes sangue puro aos olhos das SS e, em caravana com outras famílias, são escoltados para um local seguro. Mas a família Martel, aceitando a proteção alemã não está, de todo, alinhado com as ideias nazis, tal como não está os ideias soviéticos. Uma jornada brutal, baseada numa história verídica.

Night Sky (2022)

Francisco Chaveiro Reis
22
Mai22

 

Visão de Peão (10).png

Night Sky, em streaming na Amazon Prime é um thriller de ficção científica. Nele, um casal de reformados, tenta combater os avanços da idade e as amarguras do passado com uma vontade sem fim de manter a independência e um segredo. Perto de casa, o barracão de ferramentas dá a acesso a um elevador. E esse elevador leva-os, há muitos anos a ver as estrelas. Mas, as estrelas de outro planeta, deserto que ambos admiram horas a fio, de cada vez. Um dia, um estranho aparece-lhes na vida e parece ter vindo do tal planeta. Interpretação superior de Sissy Spacek e J.K. Simmons.

Nos Meandros da Lei (2022-?)

Francisco Chaveiro Reis
19
Mai22

Visão de Peão (9).png

Nos Meandros da Lei, vemos como a sorte devolve uma carreira de sucesso a Mickey (Manuel Garcia-Rulfo). E quando digo sorte, digo o assassinato a sangue frio de um colega e amigo que lhe deixa em testamento, o seu escritório e casos, incluindo um muito bem pago e mediático. Após um caso injusto, um acidente, um vício e dois divórcios, Mickey volta a fazer aquilo em que é bom, ganhando caso após caso, até chegar ao caso maior: o assassinato da mulher de um milionário dos videojogos, Travis (Christopher Gorham). Enquanto isso tenta reconquistar a ex-mulher, Maggie (Neve Campbell), equilibrar relação com a segunda ex-mulher que trabalha consigo, Lorna (Becki Newton), recuperar a relação com a filha, Hayley (Krista) e…fugir a uma tentativa de assassinato. Um belo policial, com muito bom humor.

Choco Boys (2022)

Francisco Chaveiro Reis
15
Mai22

Visão de Peão (12).png

 

Desde que vários cartoonistas foram convidados a dar a sua visão das suas aventuras, Lucky Luke ganhou nova vida. Desta vez é o alemão Ralf Konig que pega no icónico cowboy solitário, para aquela que será a melhor e mais interessante visão de fora, até agora, no argumento, escrita, desenho, cor e originalidade.  Em Choco Boys, Bud, lembra os dias em que conheceu o mítico Lucky Luke. Numa altura em que Bud, amante de outro homem, que vive com ele até ao presente, foi posto de lado e ninguém lhe dava trabalho. Até aparecer Lucky Luke e o escolher como companheiro de aventura. O chocolate suíço estava a chegar ao Oeste e era necessário quem guardasse cinco vacas europeias, após uma turbulenta viagem. É nesses dias de acalmia que vemos Lucky Luke e Bud muito próximos, com o cowboy solitário a ser, no mínimo tolerante e amigo do amor gay, enquanto índios e cowboys o vêm como um sex symbol gay. Konig recupera ainda Calamity Jane (que tem um caso gay) e os Irmãos Dalton e empresta o seu estilo a uma das personagens mais icónicas de sempre, e uma clara influência sua.

Noughts + Crosses (2022-?)

Francisco Chaveiro Reis
11
Mai22

Visão de Peão (1).png

Noughts + Crosses é um Romeu e Julieta racial. Mas, ao contrário do que seria de esperar, o rapaz branco é o desfavorecido, filho de uma empregada doméstica e alvo de descriminação e a rapariga é negra, privilegiada, filha de um ministro e até reencontrar o seu Romeu, está com um negro, rico e com boa posição.

Baseado nos livros de Malorie Blackman, a série mostra um mundo alternativo onde um conjunto de países africanos colonizaram a Europa. Guerras entre os invasores, colocaram os países do Velho Continente nas mãos de diferentes fações. A ação centra-se na Albion (Reino Unido) controlada pelo Império Apricano. É em Londres que encontramos Callum (Jack Rowan), inteligente e capaz, travado pelo estouvado irmão na sua subida na escada social e Sephy (Masali Beduza), filha da alta sociedade. Quando o jovem casal se apaixona, as consequências e obstáculos são mais que muitos.

Apesar de vir uma segunda temporada a caminho, dá ideia de que a premissa é melhor do que a concretização. Ainda assim, merece uma espreitadela. Ou duas.

O combate quotidiano, 2 (2022)

Francisco Chaveiro Reis
10
Mai22

Visão de Peão (1).png

O Combate Quotidiano, Volume 2

Manu Larcenet

Arte de Autor/A Seita, 15 euros

Exemplar comprado na loja online d´Arte de Autor

5 em 5 estrelas

O Combate Quotidiano de Manu Larcenet está de regresso, com as duas últimas histórias de Marco, um fotografo com problemas de identidade e a tentar triunfar com a sua arte. No segundo volume, Marco (e nós) tenta recuperar da morte súbita do pai, reformado de um estaleiro em decadência, para sempre ligado à sua infância e juventude e alvo do seu último livro de retratos. Marco, que continua a lutar por fazer um trabalho relevante, tem que ajudar a mãe e o irmão a lidar com a morte, ao mesmo tempo que consola os velhos amigos do pai, prestes a ficarem sem emprego e descobre mais sobre a participação do pai na guerra da Argélia. Entre o diário de frases sucintas do pai, Marco acaba ele próprio por se tornar pai. Um livro complexo sobre a simplicidade da vida, que é já um dos grandes acontecimentos editoriais do ano, graças ao esforço conjunto d´A Seita e d´Arte de Autor. Obrigatório ler.

A cozinha inglesa de Miss Eliza (2022)

Francisco Chaveiro Reis
09
Mai22

Visão de Peão.png

A cozinha inglesa de Miss Eliza

Annabel Abbs

Edições Asa, 15 euros

Exemplar oferecido

3 em 5 estrelas

 

Na Inglaterra Vitoriana, duas mulheres muito diferentes unem-se para escrever o derradeiro livro de receitas para as mulheres inglesas. Ann é a mais pobre das pobres e viveu toda a vida num casebre sem conforto ou grande asseio. Além de vários irmãos mortos, tem como família um irmão aa trabalhar na distante Londres, um pai com uma perna a menos e com o vício do álcool a ser mais forte do que o seu bom coração e uma mãe, que a ensinou a ler e a escrever, mas a quem o juízo abandonou. É o reverendo local que a encaminha para o serviço na casa de duas senhoras que acabam de se fixar na zona. Mr. Thorpe parece ter pela sua família um carinho especial e encaminha a mãe para um hospício, o pai para um emprego e Ann para a hospedaria de Miss Eliza. Eliza, solteirona com um passado como gestora de uma escola para meninas de bem, vê-se a braços com a falência do pai, que se põe a milhas e com a mãe, que tem vergonha da vida da filha, como solteira e poetiza, abre uma casa de hóspedes. Com poucos recursos, Eliza lança-se no papel de cozinheira, graças a muitos livros, às recordações de uma vida em França e à ajuda de Ann, que, tendo passado a vida a sentir fome, tem um palato único. Com a encomenda de um livro de receitas, Eliza passa da poesia à prosa gastronómica, com o sonho de que um dia, ler livros como o que quer escrever, seja um prazer aberto a todos e não aos cozinheiros fechados nas caves dos seus senhores. Da amizade improvável nasce a determinação de Ann, pouco inclinada a ser subjugada a vida toda pelo reverendo e sua mulher, que querem tomar todas decisões por ela e sai reforçada a de Eliza, pouco interessada em ser a esposa de um qualquer homem rico, como é desejo da mãe. Uma maravilha inspirada numa história verídica.

The Dropout (2022)

Francisco Chaveiro Reis
04
Mai22

Visão de Peão (3).png

The Dropout conta a história de Elizabeth Holmes, fundadora da Theranos, empresa ativa entre 2003 e 2018, e que supostamente conseguiria fazer centenas de teste ao sangue, apenas com uma gota. Holmes, decidida desde o secundário a ser uma bilionária de sucesso, deixou a universidade no segundo ano para fundar a empresa, com menos de 20 anos, com o apoio das poupanças da família e foi subindo até conseguir ter um êxito tremendo, chegando a ser comparada ao seu ídolo, Steve Jobs. Símbolo do sucesso feminino, criou uma legião de fãs e juntou uma elite à sua volta, quando na verdade, não tinha nada para mostrar, a não ser uma ideia.

Aqui, Elizabeth é Amanda Seyfried e os episódios saltam entre a atualidade – o julgamento – e os passados da protagonista. Vemos Elizabeth como adolescente inteligente, com os seus objetivos bem delineados, num ambiente onde o pai acaba de ficar sem emprego e a mãe transfere para a filha, todas as suas esperanças. Vemos Elizabeth num programa de mandarim na China onde conhece Sunny, um milionário indiano que se tornaria no seu namorado, mentor e capataz. Vemos Elizabeth como fundadora de uma strartup com bom ambiente e ideias nobre. Vemos Elizabeth como CEO de uma empresa castradora, que limita informação, impõe regras orwellianos e despede quem não está a bordo de todas as ideias.

Esta é uma história sobre moralidade e como o trabalho árduo não é um capítulo que se possa saltar, muito menos quando está em causa a saúde de milhões de pessoas. Pena, que seja uma história verídica.

Branco em Redor (2022)

Francisco Chaveiro Reis
03
Mai22


Branco em Redor

Wilfrid Lupano e Stéphane Fert

Arte de Autor, 27 euros

Exemplar comprados na Bertrand

5 em 5 estrelas

Branco em Redor conta a história verídica de uma escola em Canterbury, Connecticut, em 1832. Uma escola para meninas…negras. Um dia, uma menina negra, inteligente e curiosa, quer saber mais e mais e Prudence Crandall não vê qualquer problema em admiti-la na sua escola, numa área sobretudo de brancos. Mas estava errada. Mesmo não havendo escravos ali, os negros não são bem vistos nem vistos como iguais. A pequena Sarah cria um tumulto e em breve, a escola está vazia. Pelo menos até Prudence transformar a escola apenas para meninas negras…de todo o país. Uma história de coragem e amor.

 

Anatomia De Um Escândalo (2022)

Francisco Chaveiro Reis
28
Abr22

Visão de Peão (1).png

James Whitemore (Rupert Friend, que vimos em Homeland) é Ministro do Interior de Inglaterra, melhor amigo desde a juventude do Primeiro Ministro e tem um casamento longo e aparentemente feliz com Sophie (Sienna Milleer). Logo, nada faria crer que se veria num banco dos réus. Primeiro, um pequeno escândalo. James teria tido um caso com uma sua subordinada, Olivia (Naomi Scott). Sophie parece disposta a perdoa-lo e opinião publica, mais cedo ou mais tarde, também. Mas, depois, rebenta um escândalo muito maior. Sophie alega ter sido violada e começa a verdadeira ação, com  a ajuda da feroz advogada Kate Woodcroft (Michelle Dockery). Explorando ao mesmo tempo o passado de James e Sophie, enquanto jovens priveligiados, Anatomia De Um Escândalo é mais uma série em ambiente de tribunal mas que merece a sua cota-parte de atenção.